Hoje, segunda-feira, 10 de outubro, é dia Nacional Contra a Violência à Mulher.

Neste, 10 de outubro estamos no 282º ducentésimo octogésimo segundo dia do ano. Temos pela frente 84 dias para concluir o ano de 2016.


O Dia Nacional Contra a Violência à Mulher é comemorado no dia 10 de outubro.
A forma como a sociedade enxerga e reage a homens e mulheres sempre foi diferente. Porém, diferente do que muitos pensam, essa não é uma diferença ?natural?: ela é, e sempre foi, construída de acordo com expectativas sociais impostas.
Desde sempre acredita-se que a mulher e tudo relacionado a ela pertence ao homem e à sociedade (e não à ela mesma) e, por mais que isso esteja mudando pouco a pouco, desde a conquista do voto feminino no Brasil, os resquícios dessa cultura que apaga a vontade da mulher em benefício do homem ainda são muito fortes.
Em consequência disso, tem-se um número enorme de casos de violência contra a mulher no país, sendo a doméstica a mais recorrente. O Brasil é um país no qual 3 em 5 mulheres já sofreram algum tipo de violência dentro de relacionamentos (Instituto Avon/2014) e onde 56% dos homens já declararam ter cometido algum tipo de violência contra mulheres, dentre empurrões, xingamentos, socos, tapas, etc.. (Data Popular/Instituto Avon - 2013).
Por conta destes dados assustadores, foi criado o Dia Nacional Contra a Violência à Mulher, celebrado no dia 10 de outubro.
A ORIGEM DA DATA E SUA IMPORTÂNCIA
Foi escolhido o dia 10 de outubro para celebrar esta data porque foi em 10 de outubro de 1980 que um movimento de mulheres se reuniu nas escadarias do Teatro Municipal, em São Paulo, para iniciar um protesto contra o aumento de crimes de gênero no Brasil (hoje conhecidos como feminicídio, quando uma mulher é morta apenas por ser mulher).

O Dia Nacional Contra a Violência à Mulher é importante para que se deixe em pauta sempre como a mulher ainda é alvo constante de violência (seja de ordem sexual, verbal ou física) de forma incessante no Brasil. Este dia serve para que se possa conscientizar a população acerca destes números assustadores de agressões, bem como para buscar novas políticas que ajudem a acabar com a violência contra a mulher.
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.