Sem as empresas, campanhas municipais tiveram R$ 2,1 bilhões.

Segundo o TSE, os gastos nas campanhas municipais de 2016 chegaram a R$ 2,131 bilhões. Esse valor leva em conta apenas as doações de pessoas físicas, já que neste ano as empresas foram proibidas de doar.
O presidente do TSE, Gilmar Mendes, chamou a atenção para o fato de os gastos deste ano serem menores do que os registradas nas eleições municipais anteriores, de 2012, quando ainda foi possível às empresas fazerem doações aos candidatos. Naquele ano o valor chegou a R$ 6,2 bilhões. “As cidades estão mais limpas” observou.
O presidente do TSE lembrou que o número parcial referente a 2016 corresponde apenas às doações legais. “Não há, obviamente, a captação de caixa 2. Mas também não conseguimos captar em 2012 e a realidade agora, com a investigação da Lava Jato, mostra que o caixa 2 continuou a funcionar.”
Para especialistas convidados no domingo, 2, pela TV Estadão, a proibição das doações por empresas “foi um avanço”, mas a lei precisa ser aperfeiçoada. Para Eugênio Bucci, há um problema – “a porta aberta para o gasto livre, na campanha, de parte dos próprios candidatos”. “Quem tem mais recursos faz campanha mais rica.”
Já o cientista político Carlos Mello, do Insper, se preocupa com a “transparência”. Ou seja, se uma empresa desse recursos a um candidato e depois recebesse um contrato, as investigações iam atrás de retornos e movimentos bancários. “Foi o que fizeram a Lava Jato e outras operações. Daqui por diante, não se sabe que novos caminhos o caixa 2 vai trilhar.”

Do Ceará Agora
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.