Campanha de vacinação contra aftosa ocorre até 30 de novembro.

A Campanha de Vacinação Contra a Febre Aftosa, iniciada no último dia 1º de novembro, acontece até 30 de novembro. Executada pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri), com o apoio da Secretaria da Agricultura, Pesca e Aquicultura, Ematerce, Secretarias de Agricultura municipais e sindicatos rurais, a expectativa é que sejam vacinados acima de 95% de bovinos e 85% de propriedades, de um total de 2,5 milhões de animais.O presidente da Adagri, Augusto Júnior, convoca os produtores a realizarem a vacina dos seus rebanhos. “A gente pede mais uma vez dos produtores rurais, criadores de bovinos e bubalinos que adquiram a vacina a fim de não termos contratempo, uma vez que a não vacinação gera uma série de prejuízos não só para o Estado, mas principalmente para o produtor. A sua propriedade fica interditada, ele vai ter que pagar uma multa de aproximadamente R$ 20 por cabeça de animal não vacinado”, afirmou.

Augusto Júnior destaca que com a declaração da vacinação, através da nota fiscal apresentada nos escritórios da Adagri, Ematerce ou nas secretarias municipais, o produtor rural se resguarda de prejuízos. “Imunizar o rebanho também vai garantir o nosso status de área livre de febre aftosa internacional com vacinação, deixando a nossa fronteira aberta para comercialização dos produtos, seja carne, leite, queijo. Não queremos multar, queremos a garantia da imunidade do rebanho para que a doença não entre na propriedade. Por isso fazemos uma chamada também para os nossos parceiros, os sindicatos rurais, a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares”, disse.

Segundo o presidente da Adagri, atingir as metas vai colocar o Estado em um novo patamar. “É muito importante que, nesta segunda etapa, consigamos atingir os índices, uma vez que o Governo tem o objetivo de que a vacinação dos próximos anos ocorra apenas em animais entre 0 e 24 meses de idade. Isso gera economia para o nosso produtor, uma evolução de consciência, uma vez que o Ministério da Agricultura reconhece os percentuais de imunização e são os primeiros passos para que o Ceará possa um dia possa pleitear o status de zona livre de febre aftosa sem vacinação”, disse.

CUIDADOS

Os criadores precisam ficar atentos aos aspectos práticos da imunização. O pecuarista deve, por exemplo, pegar a nota fiscal da vacina com o fornecedor do produto e apresentá-la ao serviço veterinário oficial do município junto com a relação dos animais imunizados para declarar a vacinação. Além disso, deve ter cuidado com o transporte e armazenamento da vacina, procurando mantê-la sempre na temperatura de 2º a 8ºC para não perder a eficácia.

Outros cuidados são com a aplicação da dose correta do produto (5 ml) na lateral do pescoço do animal, usando seringas e agulhas limpas e não danificadas ou tortas. O produtor deve ficar atento aos prazos da vacinação e sua declaração no serviço veterinário oficial, já que o descumprimento impedirá a emissão de Guia de Trânsito Animal e pode gerar multas.

ZONA DE LIVRE DE FEBRE AFTOSA

Em agosto de 2013, o Ceará recebeu o reconhecimento nacional de área livre de febre aftosa com vacinação pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o reconhecimento internacional pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em maio de 2014, que permite ao Ceará negociar carne bovina e derivados com unidades federativas e com outros países.

Com Adagri
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.