Ceará tem pelo menos 4 estupros diariamente.

Foram registrados 1.580 estupros no Ceará somente no ano de 2015, de acordo com o 10º Anuário de Segurança Pública, o mais novo relatório do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Os números representam que, a cada dia, 4 pessoas são estupradas no Estado.
De acordo com o documento publicado nesta quinta-feira (3), houve uma redução de 6,3% em relação aos casos de 2014, quando foram registrados 1.687 estupros. Apesar da retração, o FBSP aponta que não é possível afirmar que realmente houve uma redução do número de estupros, já que a subnotificação deste tipo de crime é extremamente elevada.
“O crime de estupro é aquele que apresenta a maior taxa de subnotificação no mundo, então é difícil avaliar se houve de fato uma redução da incidência deste crime no País”, alerta Samira Bueno, diretora executiva do FBSP.
No ranking dos Estados com maior número de casos, o Ceará fica em 10º. O Estado com o maior número de casos foi São Paulo, que responde por pouco mais de um quinto (20,4%) dos estupros no País: 9.265. O número, entretanto, representa uma redução de 761 casos (7,6%) em relação ao ano anterior, quando foram registrados 10.026 estupros. Já Roraima foi o estado com o menor número de estupros registrados, 180. O que representa 98 (35,3%) a menos do que no ano anterior.
NÚMEROS DAS CAPITAIS
Fazendo um recorte apenas por Capitais, Fortaleza responde por cerca de 30% dos casos totais registrados no Ceará. Com 483 estupros, a cidade fica 9ª com 483 casos. Quem lidera é São Paulo, com 2.087 casos em 2015.
Ainda de acordo com o 10º Anuário de Segurança Pública, Fortaleza, assim como o Ceará, registrou leve redução. Caindo de 517 em 2014 para 483 no último ano.
MAIS DADOS
O FBSP acredita que devam ter ocorridos entre 129,9 mil e 454,6 mil estupros no Brasil em 2015. A projeção mais “otimista” se baseia em estudos internacionais, como o “National Crime Victimization Survey (NCVS)”, que apontam que apenas 35% das vítimas desse tipo de crime costumam prestar queixas.
Já a pior previsão, e provavelmente mais próxima da realidade, se apoia no estudo “Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde”, do Ipea, que aponta que, no Brasil, apenas 10% dos casos de estupro chegam ao conhecimento da polícia. “Pesquisas de vitimização produzidas no Brasil e no mundo indicam que os principais motivos apontados pelas vítimas para não reportar o crime às instituições policiais são o medo de sofrer represálias e a crença que a polícia não poderia fazer nada ou não se empenharia no caso”, afirma Samira.

Fonte: Diário do Nordeste
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.