Cid, Ciro e Camilo rompem com Domingos Filho

A divisão na base parlamentar aliada ao Palácio da Abolição, com as candidaturas dos deputados estaduais José Albuquerque e Sérgio Aguiar – ambos do PDT, à Presidência da Assembleia Legislativa, implodiu a aliança entre os irmãos Cid e Ciro Gomes (PDT) e o ex vice-governador e o conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), Domingos Filho. Albuquerque é candidato à reeleição e tem a preferência dos irmãos Ferreira Gomes, do governador Camilo Santana e do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT).

Mesmo com esse cenário, Sérgio Aguiar, filho do presidente do TCM, Francisco Aguiar, decidiu enfrentar José Albuquerque. Domingos, que tem divergência com Albuquerque, apadrinhou a candidatura de Sérgio Aguiar.

Sérgio atraiu o apoio dos deputados do PMB, PSD, PC do B, PRP e PEN em uma ampla articulação de Domingos Filho. Os mais de 15 votos contados com a adesão desses partidos e de outras siglas fizeram Domingos Filho convencer a bancada do PMDB, por meio do senador Eunício Oliveira, que Sérgio Aguiar reunia forças para derrotar José Albuquerque.

A disputa pelo comando da Assembleia Legislativa é simbólica e abre as portas para o fortalecimento dos grupos que controlem a Mesa Diretora da Casa e que sonham com a eleição de 2018 ao Governo do Estado e ao Senado. A leitura nos bastidores é que, com a presidência da Assembleia, Sérgio possibilitaria a entrada no jogo da sucessão estadual do conselheiro Domingos Filho. Domingos sonha em ser governador e, na hipótese menos atraente, quer uma vaga no Senado.

Um dos caminhos para esse projeto é a presidência da Assembleia. A partir de janeiro de 2017, Domingos deverá assumir o comando do TCM – outro anal de diálogo permanente com ex-prefeitos, prefeitos, ex-presidente e atuais presidentes de Câmaras de Vereadores. A movimentação de Domingos Filho e Francisco Aguiar irritou os irmãos Cid e Ciro. Os dois se sentiram traídos ao verem minada a base de sustentação de Albuquerque a partir das articulações de um aliado – Domingos Filho.

Camilo, Cid e Ciro não querem, nem podem perder o comando da Assembleia. O cargo é importante para as articulações com vistas às eleições de 2018. O ambiente azedou nos bastidores políticos e, nesta quinta-feira, dia da eleição para escolha dos novos dirigentes do Legislativo Estadual, o clima é de rompimento.
Fonte: www.cearaagora.com.br
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.