Sérgio Moro, Temer e tucanos confraternizam em ritmo de festa da firma.

A imagem virou o assunto mais comentado no mundo no Twitter. Na noite do ultimo domingo da premiação, o UOL chegou a publicá-la com destaque:

Há de se ter muita boa vontade para ver republicanismo nessa imagem, ainda mais no meio de uma gravíssima crise política, institucional e econômica.

Milhares de brasileiros saíram às ruas para defender a Lava Jato, protestar contra o boicote do Congresso ao pacote anticorrupção e contra a anistia de caixa 2. Inexplicavelmente, as manifestações concentraram a revolta em Renan, mas pouparam Aécio Neves e Michel Temer.
É bastante curioso o recorte escolhido pelos manifestantes, já que Aécio foi o principal articulador da urgência para aprovar o pacote anticorrupção, enquanto Michel Temer mobilizou a bancada governista para tentar aprovar a nova Lei de Leniência e anistia do caixa 2. Dois dos principais articuladores do boicote à Lava Jato foram solenemente ignorados pelas pessoas de bem que saíram às ruas para defender a operação.

Mas não é justo apontar a confusão dos manifestantes quando seu messias também parece confuso. Sergio Moro, o juiz que se tornou o grande símbolo da Lava Jato, apareceu bastante à vontade ao lado dos principais articuladores do boicote à operação na festa de premiação dos Brasileiros do Anopromovida pela revista Isto É.
O que temos nessa foto? Um juiz venerado graças à fama de implacável contra a corrupção e, em volta dele, o grupo político que está no poder e atolado até o pescoço em casos de…corrupção. Pouco antes da festa, um Moro brincalhão disse: “O único pedido que fiz à organização do evento foi não me colocar na mesma mesa com o Renan e o ministro Marco Aurélio”. Ao que parece, ter sentado ao lado de um ultradelatado na Lava Jato não foi um problema, muito pelo contrário.

Há de se ter muita boa vontade para ver republicanismo nessa imagem, ainda mais no meio de uma gravíssima crise política, institucional e econômica. É uma foto para se apreciar ouvindo o áudio de Jucá & Machado como trilha sonora.
No Senado, Moro chamou de “açodamento” a tentativa de incluir penas para juízes e promotores no pacote anticorrupção, mas estava reluzente na festa ao lado de Aécio –  o homem que tinha pressa em aprovar o “açodamento”. Mesmo assim, é possível ver os dois cochichando e até gargalhando nas fotos do evento.

De repente, o açodamento virou adoçamento. Não é demais lembrar que Moro é o juiz à frente de uma operação em que Aécio já foi deletado diversas vezes por diferentes acusadores e nunca foi convocado nem para tomar um cafezinho na Polícia Federal. Fica parecendo que, apesar da fartura de indícios e testemunhas em torno das propinas de Aécio, ainda falta aquela jabuticaba jurídica chamada convicção.

A foto me lembrou bastante dos estreitos laços de amizade entre o senador e Gilmar Mendes. Talvez seja o caso do judiciário brasileiro eleger Aécio o Brasileiro do Ano.
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.