Estudante cearense é aprovado no ITA e no IME

Com apenas 17 anos, Felipe Bastos foi aprovado nos dois vestibulares mais difíceis do País.



Felipe Bastos, de 17 anos, é natural do município de Saboeiro, distante 442 km de Fortaleza (Foto: Divulgação) 

Mesmo com as ótimas colocações, Felipe Bastos, de 17 anos, natural do município de Saboeiro, distante 442 km de Fortaleza, não acreditava nas aprovações. “Eu não esperava, comecei a olhar o resultado pelo final da lista”, afirma. Antes que findasse a esperança, se encontrou na quarta colocação para o curso de Engenharia Mecânica no Instituto Militar de Engenharia (IME). E antes que findasse o ano recebeu outro presente. A notícia de aprovação para o mesmo curso no  Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Os vestibulares são considerados os mais difíceis e concorridos do País. 

“O ritmo de estudo era muito pesado. Eu acordava às seis da manhã para estudar e depois tinha as aulas regulares até à noite e continuava estudando quando voltava”, conta. Ainda em Saboeiro, o estudante já tinha bons resultados na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e conquistou quatro vezes menção honrosa.

Após os bons resultados, Felipe foi contactado pela Associação Primeira Chance - que apoia alunos de escolas públicas com o objetivo de promover a inclusão social de jovens de baixa renda por meio da educação. Filho de professora e de comerciante, Felipe veio morar em Fortaleza, para estudar com bolsa no Colégio Ari de Sá Cavalcante.

“No começo foi difícil porque o ritmo era bem mais pesado. Eu quase não tinha aulas de Física e Química antes e tive de me esforçar bastante para acompanhar”, conta. Felipe relembra as orientações dos professores e dos colegas. “Eles me davam sugestões de materiais e leituras para que eu fosse me atualizando”. 

A notícia da aprovação veio por meio da namorada na biblioteca da escola. “Parabéns, você passou”, diz. Para ele, o sentimento agora é de gratidão. “Imediatamente liguei para os meus pais e eles se emocionaram muito. Sempre me apoiaram. Às vezes eu estava cansado e minha mãe sempre dizia para eu persistir”. E deu certo. 
Fonte: JORNAL O POVO ONLINE
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.