Maia defende encontro de parlamentos sul-americanos para reestabelecer democracia na Venezuela

Em encontro com o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Júlio Borges, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu na quarta-feira (8) a construção de um ambiente de debates entre os parlamentos da América do Sul para garantir que seja reestabelecida uma situação de normalidade democrática em toda a região, particularmente na Venezuela. 

“Nossa intenção é fazer uma reunião de todos os parlamentos possíveis da América do Sul, para que a gente trate desse caso específico, e que a gente possa ter uma integração regional maior dos parlamentos. Mas uma primeira reunião [é importante] para que possamos deixar claro que nosso Parlamento entende que a situação que vive hoje a Venezuela e que o vive o parlamento da Venezuela precisa ser superada o mais rápido possível”, disse Maia.

Presos políticos

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Júlio Borges, solicitou à Câmara dos Deputados apoio para que sejam realizadas eleições regionais e também para questões ligadas à liberdade de presos políticos naquele país. 

Borges também denunciou grave problema migratório na região em razão do que chamou de "autoritarismo" do governo Nicolás Maduro. Para o deputado venezuelano, é preciso que a Venezuela seja um país com uma economia aberta e livre. “O problema é o autoritarismo da Venezuela, o narcotráfico, a proteção a grupos terroristas. São temas que ultrapassam a fronteira venezuelana e alcançam nosso irmão Brasil, como afetam Colômbia e a região. No Panamá, 3% da população já é venezuelana”, disse Borges.

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) foi indicado por Rodrigo Maia como coordenador dessas reuniões envolvendo os parlamentos da região.

"Vamos ter os encontros necessários para o andamento dessas questões com outros parlamentos em benefício da democracia da Venezuela e o fortalecimento regional na América do Sul", afirmou Bueno.

Apoio às reivindicações

Rodrigo Maia afirmou ainda que pretende aprovar em Plenário um documento que apoie as reinvindicações do parlamento venezuelano. 

"Para que fiquem claros todos os pontos colocados em nossa reunião, incluindo esse da gravidade do que aconteceu nos últimos dias, em que o próprio presidente da Comissão de Política Exterior da Assembleia Nacional da Venezuela teve seu passaporte retirado. Isso é grave, precisa ser questionado. Devemos discutir, inclusive, uma ação nossa no Mercosul para que a cláusula democrática seja exigida”, defendeu Maia. Fonte Portal Camara dos Deputados
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.