Alckmin diz que PSDB pode sair do governo a qualquer momento.

Segunda – feira dia 19.06.2017
Na véspera da apreciação, pelo STF (Supremo Tribunal Federal), do pedido de prisão do senador Aécio Neves (PSDB), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou na manhã desta segunda-feira (19) que o partido tem que aguardar a decisão da Justiça com "confiança e serenidade" e que pode sair da base do governo de Michel Temer a qualquer momento. Segundo Alckmin, o PSDB está acompanhando a crise dia a dia.
— Podemos sair da base a qualquer momento. Sair é deixar de ter ministério, o que, aliás, eu acho completamente secundário. Quando houve o impeachment, fui contra que o PSDB ocupasse ministérios, sempre fui. Não deveria ter entrado, indicando ministros, mas a maioria decidiu.
O tucano paulista voltou a dizer que agora o importante é terminar as reformas.
— É o que temos defendido. A reforma trabalhista, que vai estimular emprego e diminuir a informalidade, deve estar aprovada até o final do mês. Vamos aguardar a sanção pelo presidente da República. A reforma previdenciária, logo logo vamos saber o seu destino. É mais difícil porque é uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição). E a reforma política é até setembro. Se não for feita até lá não valerá para a próxima eleição.De acordo com Alckmin, há três correntes diferentes dentro do partido.
 — Tem aqueles que querem sair imediatamente; aqueles que, assim como um casamento, é até que a morte dos separe; e a nossa posição, que é aguardar para completar as reformas, questão de 60, 90 dias. Nosso compromisso não é com o governo, mas com a retoma do emprego, o crescimento da economia e da renda da população. Se não saíssemos imediatamente, iríamos piorar a situação.
Logo em seguida, porém, negou que estivesse dando prazo para uma eventual saída da base.
— Não tem data, estamos acompanhando os fatos dia a dia, podemos sair a qualquer momento.
Sobre a situação de Aécio Neves, o governador disse que a sigla deve aguardar com serenidade a decisão da Justiça, com confiança e toda a oportunidade para que ele possa se defender. Questionado se Aécio teria condições de permanecer à frente do partido caso seja preso, Alckmin ressaltou que o senador já está afastado da presidência da legenda, atualmente sob o comando interino do também senador Tasso Jereissati.
Fonte: r7.com/politica


Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.