Manifestantes pró-governo invadem Parlamento venezuelano.

Quarta - feira dia 05.07.2017
CARACAS — Um grupo de manifestantes pró-governo do presidente Nicolás Maduro invadiu nesta quarta-feira a sede do Parlamento venezuelano, de maioria opositora, onde os deputados realizavam uma sessão especial pelo Dia da Independência. Dezenas de pessoas, algumas encapuzadas e vestidas de vermelho, entraram pelos jardins da Assembleia Nacional e detonaram foguetes de fogos de artifício.
Segundo o jornal "El Nacional", alguns manifestantes agrediram deputados e funcionários do prédio legislativo, deixando 12 feridos. Ao menos cinco representantes do partido opositor Mesa da Unidade Democrática (MUD) foram atacados: Juan Guaidó, Americo de Grazia, Armando Armas, José Renold e Nora Bracho. O deputado Richard Blanco denunciou que armas de fogo e gás lacrimogêneo foram usados na ação.
— Entraram armados, disparando tiros, entraram com pedras, entraram com pau, atacaram várias pessoas — disse o deputado de oposição Tomás Guanipa enquanto mostrava os projéteis dos tiros a jornalistas.

O deputado opositor Américo De Grazia foi levado ao hospital após o impacto de um objeto que atingiu sua cabeça e uma lesão no tórax. O deputado da MUD Armando Armas afirmou que os parlamentares opositores continuarão sua luta "apesar dos ataques de grupos que apoiam ao governo nacional".
Segundo a deputada Yajaira Forero da MUD, em meio à confusão no Parlamento, um grupo de paramilitares entrou no banheiro feminino e depredou o local.
— Roubaram as mulheres que estavam no banheiro. Apontaram com uma arma de fogo para a deputada Karin Salanova e levaram seu celular — detalhou Forero em declarações para a imprensa.
Agentes da Guarda Nacional Bolivariana foram acionados para conter a ação violenta. Protestos oficialistas aconteciam desde o início da manhã ao redor do Parlamento, enquanto era realizada uma sessão que comemorava a Declaração de Independência da Venezuela.

O ato do governo pela data nacional, que não estava previsto na agenda do Legislativo, foi liderada pelo vice-presidente Tareck El Aissami, que chegou acompanhado do ministro da Defesa e chefe da Força Armada, Vladimir Padrino López, assim como de membros do gabinete e de partidários chavistas.
Maioria na Casa, a oposição reagiu, chamando o ato de "assalto" e "provocação para gerar violência". Durante o evento, expôs-se a ata de Independência do país, firmada há 206 anos.
— Foi um assalto ao Palácio Federal. Isso podia ter sido feito em coordenação com a mesa-diretora da Assembleia — criticou o deputado Tomás Guanipa, antes da cerimônia parlamentar especial.
El Aissami fez um discurso de cerca de 15 minutos, no qual acusou a oposição de "sequestrar" o Poder Legislativo. Os adversários de Maduro dominam a Casa, com folga, desde sua esmagadora vitória nas urnas em dezembro de 2015.
— Estamos precisamente nas instalações de um poder do Estado que foi sequestrado pela mesma oligarquia que traiu Bolívar e sua causa — disse o vice-presidente, deflagrando aplausos dos convidados.
El Aissami advertiu que Maduro não se renderá, nem cederá em seu propósito de levar a Constituinte adiante.
— Aqui está um presidente digno que nunca se renderá, nem permitirá que a Venezuela seja colônia de qualquer potência estrangeira — declarou.
A crise política venezuelana se encontra em uma fase de alta tensão por protestos da oposição que deixaram 91 mortos em três meses e pela convocação de uma Assembleia Constituinte, por parte do presidente Nicolás Maduro.

Fonte: oglobo.globo.com/ mundo
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.