Com renúncia de Girão, Paz assume presidência do Fortaleza e indica novo diretor de futebol

Como o Esportes O POVO antecipou, Luís Eduardo Girão renunciou ao cargo de presidente do Fortaleza, na tarde desta segunda-feira, 6. Em seu lugar assume o primeiro vice-presidente Marcelo Paz, que não vai acumular o cargo com o de diretor de futebol.

O novo responsável pelo departamento de futebol do Leão é Daniel de Paula Pessoa, que era o representante do Fortaleza junto à Federação Cearense de Futebol (FCF). Marcelo Desidério, que era o segundo vice-presidente, passa a ser o primeiro vice.

Uma eleição será feita em quarenta dias para escolher o novo segundo vice-presidente. Girão manifestou desejo que o diretor de patrimônio do clube, Rolim Filho, ficasse com o cargo.

Já Marcelo Paz, falando como presidente, prometeu anunciar o novo técnico do clube até sexta-feira, 10.  

Carta de renúncia 

No documento lido por Girão à imprensa, o ex-presidente tricolor revelou que injetou 5,7 milhões no Fortaleza, para sanar as despesas, entre os meses de maio a outubro. Só com encargos e impostos foram gastos mais de 1 milhão. 

Ao lembrar que assumiu o clube com duas folhas e meia em atraso, Girão disse que o clube ainda não vive um equilíbrio financeiro e anunciou que a auditoria financeira feita no clube está disponível no site oficial.

O ex-dirigente do Fortaleza disse ainda que continuará acompanhando o clube mesmo de longe. Ele vai voltar ao Estados Unidos, onde mora com a família. 

Confira a carta de renúncia na íntegra: 

O FORTALEZA ESPORTE CLUBE é um dos amores da minha vida, que sempre esteve ao meu lado.
Nunca planejei, sequer imaginei, que um dia viesse a assumir um cargo de direção nesta renomada Instituição, que dirá, a Presidência! Mas no final de abril deste ano, recebi um chamado através de alguns conselheiros devotados ao Clube.
A imagem era a de um querido amigo de infância vivenciando momentos de agonia e quase sem perspectivas para a sua época mais esperada: o Centenário! Orei, meditei e refleti sobre o que a Misericórdia Divina muito me deu nesta existência. 
Então, mesmo consciente de minhas inúmeras limitações e imperfeições, senti que podia e devia retribuir dando o máximo de mim para ajudar este amigo especial, confiando sempre na Providência Daquele que tudo pode, tudo sabe e tudo controla. 
Sabia que tal atitude exigiria sacrifícios pessoais e familiares, mas também seria uma grande oportunidade de plantar sementes de valores a mim muito caros e que tinha certeza seria possível aplicar com êxito no futebol, uma paixão nacional (tiraria muito batido)! 
Falo aqui da Ética, da União fraterna, da tolerância, da família, da Verdade e do Perdão! 
Estes foram os 6 meses mais intensos e desafiadores de toda a minha vida.
Desde o primeiro dia, buscamos ajustar o Fortaleza Esporte Clube, sob o ponto de vista administrativo-financeiro, para alcançar a tão esperada autosustentabilidade. Entre as medidas adotadas, pode-se destacar a quitação de dívidas urgentes, a reestruturação organizacional e a promoção de ações para ampliar as receitas.
O trabalho teve início ainda no período de transição, já partir do dia 01 de maio. As despesas mensais giravam em torno de R$ 1,5 mi. Já as receitas ficavam em torno de R$ 300 mil.
Além disto, havia a necessidade de regularização de duas folhas e meia de pagamento em aberto (referentes aos meses de fevereiro, além de março e abril), e outras despesas que constavam em atraso, como aluguéis, despesas administrativas, encargos sociais, impostos e acordos trabalhistas.
Para equalizar financeiramente o clube, foi realizado um aporte financeiro de R$ 5.778 mi até o momento, para honrar com compromissos ora (tira) assumidos. Esses valores foram necessários, inclusive, para possibilitar a disputa do time no Campeonato Brasileiro de 2017.
Buscando uma melhor saúde fiscal, a atual gestão redefiniu emergencialmente o organograma interno. Foram revistos contratos e quadro funcional, com demissões e contratações, principalmente nos setores administrativos, financeiro e de futebol.
Para o redesenho empresarial também foi contratada assessoria jurídica, de comunicação e marketing, como forma de profissionalizar os setores estratégicos da gestão.
Com os aportes realizados e todas as mudanças efetivadas, houve uma melhoria na receita mensal do clube, que atingiu, no mês de setembro, o valor de aproximadamente R$ 600 mil. 
Este resultado também foi alcançado com o incremento no sócio torcedor e as promoções de produtos da marca própria e venda de ingressos. 
No período de maio a outubro foi atualizada e paga toda a despesa tributária do clube, sendo em torno de R$ 1,85 mi somente de impostos. Atualmente, não existem pendências de ordem salarial ou de encargos.
Com o acesso à 2 divisão do Campeonato Brasileiro, as receitas devem crescer em 70%. No entanto, a atual diretoria trabalha de forma responsável, para deixar o clube com equilíbrio econômico financeiro. 
Estima-se que, a partir de novembro de 2017, sejam reduzidas todas as despesas para menos de um milhão por mês e a equalização das despesas com as receitas deva acontecer no final do primeiro semestre de 2018. 
Claro que essa meta só será alcançada com uma gestão eficaz, advento dos novos patrocínios e os jogos do primeiro semestre.
Com a intenção de manter a transparência e verificar a situação contábil do clube, a atual gestão, com a doação de um Conselheiro que preferiu não se identificar, contratou em junho de 2017, a empresa de consultoria BDO, a quinta maior rede de contabilidade no mundo, para realizar a auditoria nas contas do Fortaleza Esporte Clube. 
Com a conclusão das análises, todas as recomendações foram passadas para os departamentos financeiro e contábil para que sejam tomadas as devidas providencias corretivas. O resultado da auditoria está publicado desde hoje no site do Clube.
Enfim, irmãs e irmãos de Ideal; 
Graças a Deus conseguimos conquistar o objetivo mais importante desta tarefa a que nos propomos lá atrás: o tão esperado retorno à série B do Campeonato Brasileiro.
Do ponto de vista material, esta é uma carta de RENÚNCIA da presidência da Diretoria Executiva do Fortaleza Esporte Clube. 
Porém, do ponto de vista espiritual, não é e nunca será uma renúncia, pois não existe aqui uma fuga de responsabilidades. São fortes motivos de ordem pessoal, profissional e, especialmente, familiares que me deixarão ausentes fisicamente, mas jamais fora do projeto ora iniciado.
Uma das principais razões que me fizeram aceitar o desafio de trabalhar voluntariamente como presidente é a confiança que deposito na equipe que doravante conduzirá os destinos do Clube. Confiança não apenas na capacidade de gestão, mas principalmente nos valores morais.
Ao lado de minha família, que precisa de minha dedicação integral neste momento, permanecerei, assim como milhões de torcedores, apaixonado e interessado no acompanhamento do time dentro e fora do campo.
Fonte: O Povo Online
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.