“Pagar os salários dos servidores em dia é nossa obrigação”, afirma ex-secretário da Fazenda do CE

O Estado do Ceará entra no quinto mês do ano de 2018 com as contas equilibradas. Os investimentos e a folha salarial dos servidores estão em dia, graças ao chamado equilíbrio fiscal – gastos inferiores a receitas –, que colocou o Ceará entra os estados que mais conseguiram investir nos últimos anos. O assunto esteve no Bate Papo Político desta quinta-feira, 10, do Jornal Alerta Geral

Sobre o tema, os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida conversaram com o ex-secretário da Fazenda do Estado, Mauro Benevides Filho. O economista esteve à frente da Pasta da Fazenda estadual por mais de 10 anos, durante os governos Cid Gomes e Camilo Santana. Mauro Filho, que está à frente do programa econômico do pré-candidato à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT), falou sobre o presente e o futuro das contas do Governo do Estado. “Pagar os salários dos servidores em dia é nossa obrigação”, disse o ex-secretário.

Além do tema estadual, Mauro Filho sobre como o que foi feito para, em meio à queda nas transferências federais, o Ceará ter mantido a estabilidade financeira e fiscal. O ex-secretário da Fazenda do Ceará ainda defendeu o ajuste fiscal, proposto pelo pré-candidato Ciro Gomes, citando que o Brasil vivencia a maior crise econômica de sua história, tendo praticamente quebrado. Ele ainda lembra que o Governo Federal, atualmente, não tem dinheiro para investir em Educação, Saúde e Segurança Pública.

Mauro Filho destaca que, no País, 24 dos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal hoje “não tem um centavo para fazer investimentos”, citando as crises financeiras que enfrentam os estados do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, situação bem diferente do Ceará, que concentra, segundo o ex-secretário da Fazenda, o maior volume de investimentos de todo o País em 2017, com R$ 2,5 bilhões.

O segredo, segundo o ex-secretário, é ajustar as contas para destinar recursos para as pessoas que mais precisam, como, segundo ele, foi feito durante as gestões Cid e Camilo, das quais foi titular da Pasta da Fazenda. Os investimentos projetam o Estado “tanto nacional quanto internacionalmente”, segundo Mauro Filho.

Rigor Fiscal
Perguntando sobre o rigor fiscal proposto pelo pré-candidato Ciro Gomes (PDT), Mauro Benevides defendeu o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Ele pondera, contudo, que 86% dos brasileiros ficaram isentos de pagar a CMPF, a qual chamou de “imposto de rico”. Segundo ele, “apenas quem movimenta mais de R$ 5 milhões por ano que terá que pagar” o tributo.
Fonte: www.cearaagora.com.br
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.