Sistema hídrico fecha primeiro mês da quadra chuvosa em 11%

Dos 155 açudes do Ceará, há cinco, de pequeno porte, sangrando. Já os três maiores do Estado estão em nível preocupante
Fevereiro - primeiro mês da quadra chuvosa cearense - se encerra hoje e já atingiu a marca de 177,7 milímetros (mm) de precipitações, superando em 49,8% a média histórica para o período (118,6 mm), conforme dados parciais da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). A situação hídrica do Estado, contudo, está longe de ser satisfatória. Até ontem, o volume de água armazenado era de 2,08 bilhões de metros cúbicos (m³), o que representa 11,16% da capacidade do sistema (18,62 bilhões m³), conforme a resenha diária da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).

Ainda assim, o cenário é mais confortável se comparado ao da mesma data do ano passado, quando a carga armazenada - 1,39 bilhões m³ - representava 7,47% da capacidade total.

Dos 155 açudes monitorados pela Cogerh no Estado, cinco estão sangrando. Todos de pequeno porte: Batente (Ocara), Germinal (Palmácia), Maranguapinho (Maranguape), Tijuquinha (Baturité) e São José I (Boa Viagem). O Cocó, que teve dias de sangria este mês, está entre os 11 com volume superior a 90%. A maior parte, 102 açudes, porém, está com volume inferior a 30%.

Maior reservatório cearense, o Castanhão, localizado na bacia do Médio Jaguaribe, está com apenas 3,48%. Em 27 de fevereiro de 2018, essa marca era de 2,22%. O melhor nível do açude no ano passado foi observado entre 8 e 11 de maio (último mês da quadra chuvosa), ao atingir 8,7% da capacidade. Já o volume recorde é de 14 de maio de 2009, com 96,79%.


A situação não é muito diferente dos outros dois principais reservatórios do Ceará, Orós e Banabuiú. Eles acumulam, respectivamente, 5,41% e 5,81% de suas capacidades. No dia 27 de fevereiro do ano passado, conforme dados do Portal Hidrológico da Cogerh, o Orós tinha volume um pouco maior que o atual - 5,82%. Já o Banabuiú tinha apenas 0,45% de água armazenada.

As duas únicas bacias do Estado que até ontem não tinham atingido o volume de chuvas esperado para fevereiro, segundo a Funceme, foram Salgado e Alto Jaguaribe, no Sul do Estado, com índices de 27% e 4,5% abaixo das médias históricas para o período, respectivamente.

A situação não deve mudar, caso siga o que foi sinalizado no prognóstico da Funceme, divulgado no dia 18 janeiro e válido para os três primeiros meses da quadra chuvosa. Segundo a previsão, a maior probabilidade é de chuvas abaixo do normal na região Sul, diminuindo ao longo do intervalo.

O POVO procurou Cogerh e Secretaria dos Recursos Hídricos (SRH), na tarde de ontem, para tratar sobre a situação hidrológica, bem como planejamento e ações desenvolvidas para o abastecimento no Estado, mas foi informado que os respectivos representantes estavam reunião
Fonte: www.opovo.com.br
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.