Nível dos açudes cearenses sobe, mas alerta continua

O Açude Gameleira é forte apoio para manter a irrigação das comunidades ribeirinhas, em Itapipoca
Reservatórios do Estado atingiram 11,7% da capacidade total, o melhor resultado para este período de março desde 2015. No entanto, quadro geral ainda inspira cautela

Para o cearense, acostumado forçadamente com longos períodos de estiagem nos últimos anos, a imagem de um açude sangrando é de encher os olhos e de acender a esperança por uma quadra chuvosa satisfatória para a agricultura, e também de conforto, no que se refere ao abastecimento hídrico. A temporada de chuvas, entre os meses de fevereiro e maio, é o período em que os reservatórios têm chance de adquirirem aporte hídrico.

Passado este ínterim, as chuvas diminuem substancialmente e a evaporação dos açudes, somada ao consumo do líquido, atuam no processo inverso: diminuição do volume.

Atualmente, de acordo com o monitoramento da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), o Estado possui 10 açudes operando em sua capacidade máxima.

Outra estatística positiva é que o volume total dos açudes voltou a subir após oito anos. Hoje, os reservatórios cearenses estão com 11,7% da capacidade, o melhor resultado para este período do ano desde 2015, quando a Cogerh apontava 15,4%. Em 10 de março do ano passado, o nível era de apenas 7,7%.
Apesar disso, o cenário ainda inspira preocupação, em decorrência da longa sequência negativa do quadro hídrico. Nos últimos 10 anos, o nível médio dos 155 açudes monitorados pela Cogerh apresentou sucessivas quedas. Para se ter dimensão. Em 10 de março de 2010, o volume dos açudes cearenses era de 62,2% de um total de 18,62 bilhões de m³. No ano seguinte, esse número saltou para 77,7%. Daí em diante, a estiagem se agravou e o quadro foi de consecutivas reduções.

A despeito da recente melhora, a presente capacidade dos açudes cearenses está longe de ser a necessária para garantir abastecimento ao curso do segundo semestre do ano. A reportagem do Diário do Nordeste demandou à Cogerh sobre qual seria o nível ideal para o período, no entanto, o órgão não respondeu.

Castanhão
O Castanhão, maior açude do Ceará, agoniza. Principal abastecedor da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e do Vale do Jaguaribe, o reservatório amarga seu pior índice para o início de março (3,56%). Em 10 março de 2011, por exemplo, o nível era de 71,13%. A partir de então, acumulou uma série de reduções até chegar ao crítico volume atual.

Dos 10 açudes sangrando, cinco pertencem às Bacias do Coreaú e do Acaraú, na região Norte. Na lista, constam o Acaraú Mirim, em Massapê; Diamantino II, na cidade de Marco; o Itaúna, de Granja; o açude Tucunduba, em Senador Sá; e o Gameleira, na cidade de Itapipoca. A lista se completa com os açudes São José I, em Boa Viagem; Batente, em Ocara; o Germinal, da cidade de Palmácia; e os reservatórios Maranguapinho, de Maranguape; e Tijuquinha, instalado em Baturité.

Eles estão sendo beneficiados pelos substanciais volumes de chuva que banham a região Norte neste início de ano. O meteorologista da Funceme, Raul Fritz, explica que este fator se deve à localização da Região Norte em relação às influências do sistema responsável pelas chuvas, a chamada Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), que se manifesta no período da quadra chuvosa. "Esse próprio sistema alcança facilmente a parte Norte do Estado, que é a mais próxima do Equador, facilmente atingido pelas nuvens de chuvas", explica.

Quem tem se beneficiado deste fenômeno natural são os moradores. Em Massapê, a sangria do açude Acaraú Mirim trouxe de volta a pesca e os dias de diversão. Com a maior oferta de água, a população voltou a usufruir do açude como balneário. Aos fins de semana, têm sido comum diversos grupos buscarem por locais com água para se refrescar. O açude acaba por se transformar em ponto de lazer. "Eu moro em Sobral, mas sempre que posso venho aqui tomar um banho, ou apenas descansar com a família. Tem bons bares e restaurantes nas proximidades do açude", revela a dona de casa Cíntia Alves Brito, de 47 anos. O reservatório possui 36.71 m³ de capacidade.

Em Itapipoca, também na Região Norte, quem proporciona alegria quanto ao abastecimento hídrico e lazer é o Gameleira. Na visão dos moradores, a cheia do açude sempre traz alívio por conta de um passado de seca severa. "Na verdade, as águas do Gameleira representam redenção para todos nós. No passado, tínhamos o Poço Verde, único reservatório responsável pelo abastecimento da cidade que secou por completo em 2013, causando grande mortandade de peixes. Isso ocasionou o colapso de água na cidade. Foram as águas do Gameleira, o novo açude, que chegaram para mudar essa realidade", relembra o radialista Flávio Teixeira.

Dificuldades
Com cerca de 52.64 milhões de metros cúbicos, hoje, a realidade que o reservatório proporciona é outra. "Mesmo nesses anos de seca, nessa dificuldade toda, o Gameleira se mantém firme na irrigação das comunidades ribeirinhas, na autonomia da agricultura familiar, enfim, na manutenção da oferta de água", comemora Teixeira. Além dos 10 açudes sangrando, quatro estão com volume acima de 90%. Destes, três também são do Norte do Estado, o Jenipapo, localizado na Meruoca (95,73%); o São Vicente, de Santana do Acaraú (95,33%); e o açude Gangorra, no município de Granja (97,76%). Entretanto, conforme observou Bartolomeu Almeida, gerente da Bacia do Coreaú e Acaraú (Cogerh), o quadro, em âmbito estadual, ainda é de alerta.

"Nós temos tido uma situação hídrica melhorada na parte do litoral, mas esperamos, ainda, um maior aporte em nossos reservatórios nos próximos meses para conseguirmos suportar a demanda do segundo semestre do ano".

Média
De acordo com os dados da Funceme, desde o início da estação chuvosa, as precipitações seguem acima da média para o período. Janeiro, mês de pré-estação, registrou 10% de volume de chuvas a mais que a média. Fevereiro marcou 48% de aumento e, os primeiros dias do mês de março, já apontam uma média de 52 mm, quando a média esperada para todo o mês é de 203 mm. A expectativa é de que ocorra mais aporte nos reservatórios.

Por André Costa/Marcelino Junior , regiao@verdesmares.com.br / 11 de Março de 2019
Fonte: diariodonordeste.verdesmares.com.br
Rogilson Brandão

Rogilson Brandão

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.